header-logo

Comunicações de marketing orientadas por inteligência artificial

Isenção de responsabilidade: o texto conforme exibido abaixo foi traduzido automaticamente de outro idioma usando uma ferramenta de tradução de terceiros.


Saneamento básico: DRSAI causaram 0,9% dos óbitos no Brasil entre 2008 e 2019

Jul 27, 2022 7:10 PM ET

Segundo indicadores da terceira edição do “Atlas de Saneamento: Abastecimento de Água e Saneamento Ambiental Inadequado) causaram cerca de 0,9% dos óbitos ocorridos no Brasil entre 2008 e 2019. Entre as mortes ocorridas apenas por doenças infecciosas e parasitárias no país, as DRSAI representam 21,7% dos óbitos no período.

Os números “dimensionam os impactos de um saneamento ambiental desigual e ainda não universalizado no país”, afirmou o órgão, conforme publicado pela Agência Brasil. Entre 2008 e 2019, foram 11.881.430 casos de DRSAI, que levaram a 4.877.618 internações no SUS (Sistema Único de Saúde). As principais causas de morte foram Doença de Chagas, diarreia e disenteria - responsáveis por cerca de 81,5% dos óbitos no período.

A falta de saneamento básico é uma realidade para mais de 17 milhões de brasileiros, segundo dados de 2020 do Islu (Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana). Segundo o órgão, cerca de metade das cidades brasileiras despeja resíduos em depósitos irregulares. 

Para tentar reverter esse quadro, o novo Marco Legal do Saneamento foi sancionado em julho de 2020, por meio da Lei nº 14.026/2020. O documento tem o objetivo de alcançar a universalização dos serviços até 2033, garantindo que 99% da população tenha acesso à água potável e que o tratamento e coleta de esgoto chegue a 90% dos cidadãos.

Um novo estudo do Instituto Trata Brasil, revelou que, em 2019, 273 mil brasileiros foram internados e 2734 morreram em decorrência de doenças de veiculação hídrica. Gleison Pinheiro, diretor da PUMJIL, empresa que presta serviços de


iCrowdNewswire
Tags:   Portuguese, Wire