header-logo

Comunicações de marketing orientadas por inteligência artificial

Isenção de responsabilidade: o texto conforme exibido abaixo foi traduzido automaticamente de outro idioma usando uma ferramenta de tradução de terceiros.


Indústrias investem em inovação colaborativa

Mar 30, 2022 7:05 PM ET

A inovação aberta, que promove o desenvolvimento colaborativo entre diversos atores em um ecossistema, como startups, universidades ou com outras empresas, é um conceito que tem evoluído exponencialmente a cada ano, sendo a estratégia escolhida pelas companhias para garantir agilidade, eficiência, trabalhos de co-criação consistentes e soluções para os seus desafios. Em uma sondagem recente, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) ouviu 196 médias e grandes empresas industriais e de serviços, e revelou que esse é um caminho crescente entre as indústrias também. Entre estas empresas, mais de 50% realizaram alguma cooperação com outra organização para a realização de projetos de Pesquisa & Desenvolvimento. Outro dado importante é que 19% da receita líquida de vendas resultaram do lançamento de um produto inovador – um crescimento de dois pontos percentuais em relação ao ano anterior.

A entrada nesse universo pode ser realizada por meio de desafios corporativos, maratonas de soluções (hackathons), desafios com universidades e geração de negócios com startups e empreendedores iniciais (incubação). Este foi o caminho trilhado pela indústria química alemã, BASF, que há três anos criou sua primeira estrutura de prototipação colaborativa para novos produtos na América do Sul, o Centro de Experiências Científicas e Digitais – onono. Com o objetivo de conectar e aproximar clientes, fornecedores, startups, colaboradores e universidades ao ecossistema de inovação, mais do que um hub, o onono se tornou um canal importante de relacionamento, uma central de colaboração e produção de informação de qualidade para o mercado, sempre com o olhar para o futuro.

Desde 2019, o onono promoveu mais de 50 desafios em seu ecossistema de inovação aberta, envolvendo startups no desenvolvimento de protótipos de soluções para BASF e para seus clientes, como, por exemplo, para mobilidade agrícola, para tracking de e-commerce, para produtos com redução de consumo de água, forecasting de matérias-primas, entre outras. Também conectou mais de 300 universitários em mentoria para soluções inovadoras, como a criação de uma ferramenta de inteligência artificial para supply chain e a calculadora de emissões sustenBOT da Fundação Espaço ECO, por exemplo.

“A inovação é um dos nossos pilares estratégicos ao lado da sustentabilidade. Inclusive, a companhia foi reconhecida como a Empresa Mais Inovadora do Brasil em Processos na categoria grandes empresas no Prêmio Nacional de Inovação entregue durante o 9º Congresso CNI de Inovação, realizado em março”, comenta Renata Milanese, diretora de Customer Enabling da BASF. Para a executiva, uma das conquistas mais importantes do onono nesses três anos foi a contribuição da inovação colaborativa unindo clientes, áreas de negócios e o ecossistema para uma mudança de mentalidade, gerando resultados que vão além do relacionamento comercial tradicional. “Estamos junto aos nossos clientes e convidamos eles a trazerem seus desafios”, comenta.

Projetado para responder de maneira ágil às demandas do mercado, o espaço de inovação é equipado com tecnologia de ponta, laboratórios de pesquisa e testes de produtos, conectividade, digitalização de processos e design, além da capacidade para conduzir metodologias de inovação atendendo desafios da BASF e seus parceiros. “Após um ano da inauguração, todas as nossas atividades migraram para o universo digital. Com isso, nos empenhamos em mais de 50 desafios de cocriação e realizamos mais de 200 webinars sobre temas diversos como economia circular, negócios, carreiras, procurando envolver os negócios, parceiros, clientes e especialistas”, considera Ornella Nitardi, gerente de Inovação Aberta e Ecossistemas Digitais para América do Sul da BASF. “Contamos com a participação de mais de 50 mil pessoas em todas essas iniciativas e, agora, estamos promovendo os modelos híbridos para combinar o que tem de melhor no virtual e no presencial, gerando mais conexões de valor além das fronteiras do espaço”.

Com a retomada das atividades presenciais, foram preparadas novidades no espaço físico do onono, como a Central de Economia Circular, que vai explorar soluções em reciclagem para a cadeia do plástico, o laboratório de impressão 3D, para novas experiências em manufatura aditiva, e um media lab que permite ampliar os canais de comunicação. “Já estão no ar o canal do onono no YouTube e o canal de podcast “Deu Química!”, onde ouvimos especialistas para falar de tendências, curiosidades e nutrir o ecossistema com um conteúdo interessante”, comenta Carlos Henrique Almeida, coordenador de experiências do onono.




iCrowdNewswire
Tags:   Portuguese, Wire